Ações

Balanço Parcial de 2010

Atualização: Tinha esquecido de juntar o JCP pago pela Petro em 30/11 como valor em conta, o que alterou (bem pouco) o resultado até agora.

Olá amigos.

Depois de um longo período de meditação, resolvi escrever para compartilhar com vocês os resultados dos meus investimentos em ações em 2010, no intuito de mostrar o que aconteceu comigo nesse ano que passou, além de receber o feedback dos colegas com suas percepções e sugestões.

Como o Leão vai ser atroz comigo neste ano, achei melhor antecipar tudo o que pudesse em termos de declaração de IR para poder fazer um melhor planejamento dos fluxos de caixa para o pagamento do imposto no ano que vem. Com isso, consolidei meus resultados de ações de 2010 numa planilha e avaliei os resultados.

O Método

No final do ano passado mudei de corretora para a MyCap, na qual estou relativamente satisfeito até agora. Os serviços online são muito bons, permitindo que você faça praticamente tudo pela internet, inclusive baixar as notas de corretagem em PDF desde que se tornou cliente (minha antiga corretora disponibilizava apenas dos últimos 30 dias. Se precisasse de notas de um período anterior, tinha que solicitar pelo telefone ou email e levava alguns dias (!) para recebê-las). Tenho tido alguns problemas com a corretora porque, me parece, o número de clientes deles cresceu demais e o sistema de informática e pessoal não acompanharam este crescimento. Resultado: frequentemente ocorrem ordens rejeitadas pelo sistema, papéis que saem da conta cobertura chamando margem e coisas desse tipo, que com uma simples ligação se resolvem. Porém, como tem pouca gente no atendimento, às vezes chega a levar 20 minutos para resolver. Enfim, no frigir dos ovos acho que continua valendo a pena. Pelo menos por enquanto.

Mas, como vinha dizendo, elaborei um sistema de importar as notas de corretagem para uma planilha, na qual registrei então o log de todas as operações realizadas no ano. A partir desse histórico, consegui identificar exatamente qual era minha carteira a cada dia de negociação e, como exercício, fiz a análise de performance da carteira pegando a cotação de fechamento de cada um dos papéis que possuía no 1º dia útil de cada mês do ano, considerando as ações em carteira como ativos (+) e as opções eventualmente lançadas como passivo (-).

Como durante o ano fui fazendo depósitos e retiradas da conta da corretora para realizar minhas rolagens, comprar mais ações (e também para consumir o lucro dos negócios, hehehe), precisei também identificar no extrato da corretora todas minhas operações de aporte e resgate, para calcular adequadamente o resultado. Para isso, considerei que os aportes realizados em cada mês comporiam a base de valor da carteira para análise da performance do mês seguinte, evitando uma distorção comum, que é analisar somente o valor da carteira. Exemplo: o investido tem uma carteira de R$100.000 no início do ano, faz diversas negociações, diversos aportes e diversos resgates durante o ano, finalizando com um saldo positivo de aportes de R$10.000 e valor da carteira de R$110.000. O investidor acha que teve 10% de resultado positivo quando, na verdade, o resultado foi zero.

A Análise

Com tudo isso computado, passei a analisar os resultados. De 1º de janeiro a 30 de novembro, o resultado líquido das minhas operações em 2010 foi de +7,30% +7,40% (com o JCP da Petro de 30/11). Confesso que quando vi esse número fiquei um pouco frustrado, já que alguns fundos de renda fixa dariam resultado semelhante ou até maior. Mas, quando realizei a análise de performande do Ibov no mesmo período, percebi que o mesmo tinha dado um resultado de -1.00%. Ou seja, num ano em que a cesta de ações do Ibov (um benchmark terrível, já que tende a subir sempre porque expurga as empresas de baixa performance) teve perda de valor de 1%, minha carteira e minha estratégia me garantiram reposição da inflação e mais alguma coisa.

Passei então a analisar o porquê desse resultado. Em 2010 só realizei venda de ações uma única vez, por força de exercício da série D da vale, que não estava vantajoso realizar a rolagem. Naquele momento, a Petro já tinha caído coisa de 10% em relação ao começo do ano e me parecia uma boa alternativa abrir posição comprada na Petro também. Ou seja, em 2010 eu praticamente só comprei ações. Portanto, o resultado das ações computado na minha carteira seria somente referente à sua performance desde o início do ano, não havendo geração de caixa por swing trade, por exemplo. Comecemos pela Petro então… bem, depois daqueles 10% de queda, a bichinha já caiu mais 20 pontos em relação ao valor em 1/01/10. Isso mesmo: a petro acumulou até 30/11 -30,43% de resultado. Bizarro pra quem faz buy and trolha hold (oi? Evaldo?).

Já a Vale no mesmo período acumula alta de +15,40%. Um ótimo resultado num ano de queda/estabilidade do Ibov.

Analisando mais a fundo o que aconteceu com minha posição na Petro. Do momento que fiz minha primeira compra até 30/11, meu resultado líquido na Petro é de -12,25%. Porém, se somar o montante que recebi pelos prêmios dos lançamentos cobertos que fiz na Petro, esse resultado vai pra -7,79%. Ou seja, o lançamento isolado me proporcionou um resultado líquido de +4,5% em 8 meses, que contribuiu para amortizar a queda do papel e, no firgir dos ovos, para o meu resultado razoável num ano ruim.

Algumas Conclusões

Sempre digo que o que é bom para um pode não ser bom para o outro, mas cada vez mais percebo que a compra de ações para manutenção aliada a lançamentos cobertos são a melhor alternativa de investimento para mim. Acompanho diariamente o mercado porque gosto, mas faço somente 1 a 2 operações com opções a cada mês. Com isso continuo focado no meu trabalho e gasto muito pouco para operar. Meu custo nesse ano (incluíndo corretagem, emolumentos, taxas e custódia) foi de apenas 0,22% do capital investido (já descontados para apuração do resultado).

Percebi também que quando a gente começa a operar um pouco maior, a gente fica com um pouco mais de medo (óbvio, né, mas quando a gente sente é diferente). Percebi isso na dificuldade que tive de lançar opções ATM abaixo do meu preço médio de compra, mesmo quando minha estratégia mandava fazer isso. Talvez esse receio e alteração da estratégia, aliados com a baixa volatilidade da Petro no ano tenham feito com que o resultado dos lançamentos tenha sido de pouco mais de 0,5% em cada lançamento. Mas, como digo para o Mestre, é melhor isso que deixar no buy and forget.

Pois bem, hoje estou conformado e confortável com meu resultado, que pela performance das ações e meus lançamentos de dezembro deve chegar a +9% líquido em 2010. Não é de encher os olhos mas tampouco os enche de lágrimas…

By the way, estou com preço médio de compra de R$28,79 na Petro e R$42,26 na Vale.

Abs.

Anúncios

15 comentários sobre “Balanço Parcial de 2010

  1. Mestre, estou com dificuldades de realizar a mesma apuração em minha carteira. Basicamente, não como calcular o lucro|prejuizo, pois comprei ações ao longo do ano, por preços diferentes.

    1. Grande Dênis.

      Para conseguir calcular o seu lucro/prejuízo em um determinado papel que foi sendo adquirido/vendido em diversos momentos no pasado você precisa primeiro calcular o seu preço médio de compra. Para calcular isso, você deve fazer uma média ponderada dos preços líquidos de aquisição do ativo (que é o preço do ativo descontados os custos de aquisição.

      Exemplo: Adquiro 100 Petr4 a 30,00, com custos de 10,00. Montante de R$3000,00 + custo de R$10,00 = R$3010,00. Dividido por 100 papéis me dá o custo inicial de aquisição de 30,10 por papel.
      Na sequência, adquiro 500 Petr4 a 20,00 com custo de 20,00. Montante de 10.000+ custo de 20 = 10.020. Dividido por 500 dá um custo unitário de 20,04.
      Neste momento o custo médio de aquisição do meu estoque é a média ponderada dos valores que possuo: 100 x 30,10 + 500 x 20,04 = 13.030 dividido por 600 (total de papéis) = 21,72.

      Daí lucro ou prejuízo você calcula a partir do preço líquido de venda menos o custo médio de aquisição do estoque

      Obs 1: É assim que deve-se apurar o lucro para fins de tributação. Quem não sabe disso provavelmente está calculando errado o IR!!
      Obs 2: Venda não altera o custo médio de aquisição do estoque.
      Obs 3: Quando seu estoque termina, ou seja, você vende todas as ações daquele tipo, comece tudo novamente do zero a partir da próxima compra.

      Abs.

  2. Olá Evaldo,

    Estive com PETRO durante algum tempo, com preço médio de R$30,15. No final de Novembro me desfiz dos papéis por R$25,15. Assumi o prejuízo. Por que fiz isso? Por que percebi que poderia ganhar mais a médio e longo prazo com outros papéis, que inclusive já possuía em carteira.

    Tenho focado em encontrar papéis que valorizem +1000% em 10 anos, como a PETRO e VALE fizeram de 2000 pra cá. E a grande questão é que, com a capitalização, a PETRO passou a valer R$330 bilhões, e dificilmente ela se multiplicará por 10 em 10 anos, mesmo com o Pré-Sal. Isso faria ela valer R$3,3 trilhões, mais do que o PIB brasileiro atual, de R$2,9 trilhões.

    Ou seja, basicamente tenho procurado empresas de alguns poucos bilhões, sem dívidas, que estejam baratas, com um ROE alto e que, se possível, paguem bons dividendos.

    Uma boa apresentação do Lirio Parisotto sintetiza a minha estratégia. Ela pode ser assistida por aqui: https://www.gerafuturo.com.br/vídeos/palestra-lirio-parisotto-expo-money-2010

    Gostaria de sua opinião sobre a minha idéia, pois sempre acompanho o seu blog por que os seus comentários sempre são pertinentes. Um forte abraço!

    Rafael Joia

    1. Olá Rafael.

      Respeito a sua estratégia e concordo que enormes valorizações são cada vez mais difíceis quando a empresa já é muito grande. Mas para mim essa sua estratégia seria praticamente suicídio, já que minha fama de dedo podre já é mundialmente conhecida. Pra ganhar garimpando papéis é preciso inspiração e sorte – além de estratégia e disciplina – e eu estou mais pra um operário da bolsa do que pra um hot picker. Minha estratégia é mais baseada em transpiração mesmo. E 25pct ao ano me faz um homem muito feliz.
      Abs.

  3. Pessoal, só hoje consegui ver o blog depois que tirei férias, no dia 10.\
    Mesmo assim, só vou ter tempo de comentar à noite.
    Forte abraço a todos.

    PS: Onde estava nas férias não pega celular e nem tem internet.

  4. Calderon,

    Seu resultado foi razoavel, mas o melhor foi o aprendizado durante o período, diz aí…Ainda irei fazer os calculos do meu, mas esse tive que lidar com várias retiradas mensais que acabou me atrapalhando um pouco, operei mais com Vale e desisti de petr depois que começou aquela palhaçada de capitalização em que os minoritários foram massacrados, voltei a operar com petr mas apenas com travas.

    Rafaeljoia,

    Dando um pitaco tbm no seu post, não será uma tarefa fácil vc encontrar essas empresas, pode ser que as “promessas” não se realizem por maior que seja o potencial de lucro das empresas, existem muitas variaveis.

    Minha opinião pessoal, não seria melhor vc aprender a operar com opções de bluechips para fazer lançamentos e travas para incrementar os investimentos nessas empresas? Isso não elimina tbm a possibilidade de vc ir investindo nessas empresas que vc acredita serem promissoras, quem sabe com capital novo, ou seja, não faz mais aportes nas blue (deixando a cargo dos lançamentos e travas com opções) e dinheiro novo coloca nas outras empresas.

    Abraços,

  5. Dr. Calderon,

    25pct ao ano é uma taxa de respeito, isto garantiria praticamente os mesmos 1000% em 10 anos. Se você vem conseguindo isto frequentemente, independente das oscilações do mercado, a sua estratégia é excelente. Ainda não tenho conhecimento para seguir os conselhos que o Evaldo deu sobre operar opções com bluechips, mas vou correr atrás disso.

    Quando eu digo procurar empresas de 1000% em 10 anos não quero dizer que vou comprar o papel e permanecer com ele durante todo este tempo. Posso ir variando a carteira baseado em uma estratégia, como a de Joel Greenblatt, por exemplo. As empresas não precisam também crescer a taxas muito altas. Por exemplo, se elas crescerem 20% ao ano e pagarem de 4% a 5% de dividendos, estaria praticamente conseguindo os 1000%, mas concordo que para isso é necessário muita disciplina e estratégia.

    1. Olá Rafael.
      Acho que não te compreendi direito e também não me expressei bem. Achei que você mirava em empresas com potencial de valorização do papel (excluindo os outros potenciais ganhos como dividendos e prêmios de opções) de 1000% em 10 anos.
      Já a minha ideia é um resultado de 25% aa, já incluindo a valorização do papel e os prêmios de opções. Acho que é factível num cenário em que o papel se valoriza 10 a 15% aa e o restante 15 a 10% tiraria com o lançamento coberto, tanto que nos últimos 24 meses meu resultado bate esse benchmark. Veja que o crescimento da empresa não precisa ser tão vultoso e, por isso, continuo acreditando que nossas blue chips que possuem liquidez em opções são a melhor alternativa para essa estratégia, uma vez que um papel sem liquidez em opções necessitaria de acertar os pontos de compra e venda (coisa que, como disse, sou fraco).
      Abs.

  6. Eu gosto muito dessa riqueza de comentários, com estratégias possíveis. Só para colocar um pouco da minha… Minhas metas de desempenho parciais são todas relacionadas a quantidade de ações Vale e Petro que puder adquirir até que tenha algo em torno de 20 mil ações bluechips. Paralelamente, vou avaliando oportunidades como outras empresas que estejam me pedindo para comprar no momento em que tiver alguma liquidez para aquisição. Também avalio outras oportunidades de investir em bens de valor que estejam sendo vendidos por preço de banana podre em beira de estrada…
    E nunca deixarei de ter minhas 1001 idéias semanais de um empreendimento próprio. Até hoje, só não descartei 3 possibilidades.

    1. Evaldo, lega vc falar sobre empreendimento, pq tbm to sempre avaliando isso,to pensando mais para frente investir em agronegócio para aproveitar os juros mais baixos do crédito, a carência no prazo e a alta demanda por alimentos que devem continuar assim por um bom tempo.

      1. Alguma cultura específica? Estou de olho no café. Tenho percebido um aumento do consumo mais acelerado que o da produção. Os preços têm subido e estão num patamar legal.
        Além disso, como vimos no post sobre o aumento dramático do PIB dos BRICs até 2050, esse povo vai demandar alimento..ôoo se vai!

  7. O Calderon quer que eu analise o resultado dele. Mas prefiro analisar a estratégia, já que resultado de um ano não me diz muita coisa.
    1) O Calderon é o dedo mais podre do mundo. No entanto, é o cara que todo mundo deveria solicitar conselho – primeiro por ser extremamente inteligente e detalhista, segundo porque basta operar diametralmente oposto a ele.
    2) Esse “selection bias” de qualquer índice quase mata o propósito.
    3) Vamos à estratégia. Se a estratégia é obter crescimento de valor da carteira (e não é sempre o de todos?) acho que o Doutor poderia utilizar mais operações de taxa que de remuneração (para opções). Também acredito que alguns swing trades poderiam ser realizados assumindo um maior risco (não assuma outras coisas…Rick Martin).
    Conclusão: Entendo que, no balanço geral, a estratégia escolhida não é a mais adequada ao objetivo.
    Eu estou pensando somente em acumulação de bluechips. Se (e quando) a PETR ultrapassar o valor da VALE, eu troco uma pela outra. Depois eu vou entrar na fase de resultados mais modestos e contínuos. Penso em 2016 começar a mirar num resultado líquido de 15%a.a. Hoje só quero mais ações.

    1. Grande Mestre!
      Sabia que além de misericoridoso, sua bondade infinita faria você atender minha humilde solicitação de comentário.
      Concordo contigo que existem muitas outras maneiras de preparar Neston… Digo, de operar mirando em resultados melhores de caixa, mas, como disse, pelas minhas outras atividades de trabalho não teria tempo de montar os setups baseados em AT para swing (trade

  8. Postar do celular é uma merda… Apertei o “publicar” sem querer…
    Enfim, a estratégia de negociação adotada, baseada em compra de blue chips com liquidez de opções e lançamento coberto é hoje a que melhor se encaixa na minha vida. Buy & hold também se encaixaria, mas é possível que não batesse o ibov nesse ano que passou.
    Meu objetivo (não confundir com estratégia) é possuir uma carteira o mais cheia possível de blue chips para minha aposentadoria. Para tanto, o lançamento coberto remunera essa carteira para aquisição de mais ações, alem de proteger em periodos de quedas. Tanto é que, em número de ações minha carteira no final de 2010 é o triplo do começo do ano.
    E você? Como foi seu resultado em 2010?
    Abs

  9. Vou publicar meu resultado financeiro no dia 1/1/2011.
    Mas já adianto que foi fantástico. Meu plano, feito em 2005, previa uma quantidade de 7.400 bluechips. Estou terminando o ano com 7.582 (o plano era ambicioso e foi superado). Mas…como nem só de bluechips viverá o Evaldo…
    Consegui finalmente ser transferido para onde queria. Minha família está muito adaptada, consigo passar uma bom pedaço do dia com ela e eu estou servindo melhor a Deus.
    Para 2011 tenho as melhores expectativas de crescimento em todas as áreas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s